quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Técnicos da CAR visitam em Caravelas local do futuro Centro de Beneficiamento de Pescados

A Prefeitura de Caravelas, através da Secretaria de Agricultura e Pesca, em parceria com a Coompescar - Cooperativa das Marisqueiras e Pescadores de Caravelas -, recebeu na manhã desta quarta-feira (27) a visita dos técnicos da CAR - Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional, de Salvador, para análise da área onde poderá ser construído Centro de Beneficiamento de Pescados.
 
Projeto que foi uma iniciativa da Secretaria Municipal de Agricultura e Pesca e da Coompescar. O Objetivo do Centro de Beneficiamento de Pescado é melhorar as condições de trabalho e a qualidade de vida da comunidade Pesqueira de Caravelas. Após a visita, será produzido, pelos engenheiros, um relatório para viabilizar o Projeto na sede da Coompescar.
O Prefeito de Caravelas, Silvio Ramalho, acompanhou a visita e está empenhado em conseguir trazer este projeto para os pescadores da cidade. “É importante fomentar a pesca na nossa cidade. Este centro trará condições melhores de trabalho aos pescadores e pescadoras, além de dar mais qualidade de vida para muitas famílias que serão beneficiadas com o pescado que vai movimentar a economia do município.” 
O Secretário de Agricultura e Pesca, Daniel Siquara, se mostrou otimista com relação à construção do Centro de Beneficiamento em Caravelas. “estive em Salvador e convidei os engenheiros da CAR para realizar esta visita técnica. Acredito que esta será mais uma conquista para as famílias de pescadores caravelenses.”, disse o Secretário.

Por Neuza Brizola/ Ascom

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Fibria inicia movimentação de madeira com guindastes em terminais marítimos




 O projeto, que demanda investimento de R$ 54,4 milhões, possibilitará que menos caminhões de transporte de madeira sejam usados nas rodovias capixabas e baianas.

 
Já estão em operação nos Terminais Marítimos da Fibria em Barra do Riacho (Aracruz-ES) e em Caravelas (BA) os primeiros dois guindastes – de um total de quatro – que fazem parte do projeto de modernização do transporte de madeira por via marítima entre o sul da Bahia e o norte do Espírito Santo. A movimentação de madeira com guindastes garante operações mais seguras, sustentáveis e produtivas. A Fibria está investindo R$ 54,4 milhões nesse projeto, incluindo obras civis e equipamentos.
Fabricados na Finlândia, os guindastes de grande porte operam no carregamento das barcaças que transportam madeira, no Terminal de Caravelas, e no descarregamento das embarcações, em Barra do Riacho. Cada barcaça comporta uma carga equivalente a 100 viagens de caminhões tritrem, contribuindo para desafogar o tráfego nas rodovias.
 Além de contribuir para a segurança nas estradas, reduzindo o tráfego de caminhões, a operação com guindastes oferece mais segurança ao operador, que fica na cabine do equipamento, sem contato próximo com a carga. Sob o aspecto da sustentabilidade, a utilização de guindastes resulta em menor uso de combustível derivado do petróleo (em Barra do Riacho, os equipamentos são movidos a energia renovável produzida pela própria Fibria em sua unidade industrial), menor uso de pneus e redução das emissões de CO2, gás que provoca o efeito estufa.
O gerente geral Florestal da Fibria, Carlos Nassur, enfatiza que a instalação dos guindastes é um passo importante para a modernização das operações. “Entre as vantagens desse novo sistema podemos destacar o aumento da produtividade, melhor aproveitamento do espaço interno das barcaças, redução das emissões de gases de efeito estufa e aumento da segurança nas estradas, além de redução de custos operacionais”, salienta ele.
Luiz Geraldo Micheletti Goessler, gerente de Logística Florestal da Fibria, explica que os dois guindastes começaram a operar há pouco mais de um mês e estão na fase de curva de aprendizagem, até alcançarem a produtividade esperada. Os operadores desses equipamentos receberam treinamento específico e sua performance também vem evoluindo com as atividades. “A expectativa é de que a operação com guindastes reduza em mais de 40% o tempo de carregamento/descarregamento das barcaças, quando o projeto estiver operando a plena capacidade, com os quatro equipamentos”, disse.
 
Em operação há 15 anos, os Terminais Marítimos da Fibria em Barra do Riacho e em Caravelas contribuem para dar mais equilíbrio à matriz de transportes da empresa. O modal marítimo responde por uma fatia de 25% do transporte de madeira da empresa, que também utiliza ferrovias e rodovias.
A execução do projeto de modernização do transporte marítimo também contribui para movimentar a economia nas respectivas regiões. No pico do projeto, foi mobilizado um efetivo de cerca de 150 pessoas, metade no Espírito Santo e metade no sul da Bahia. Como ocorre em projetos dessa natureza, a Fibria fez parceria com o Sine (Sistema Nacional de Empregos), e priorizou a contratação de trabalhadores locais.
 Fonte: Pauta 6 comunicações
6

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Organizações de base comunitárias e lideranças extrativistas manifesta sobre o fim da Bolsa Verde em 2018 por falta de recursos orçamentários e financeiros.

A imagem pode conter: texto
A imagem pode conter: texto

Dois casos em quatro dias de Baleia Jubarte encontrada morta.

No dia 22 de junho uma baleia Jubarte foi encontrada morta na região de Alcobaça e depois de 4 dias (26/06) foi avistado na praia da Ponta da Baleia em Barra de Caravelas mais  uma Jubarte morta. Segundo algumas informações, o mamífero  ainda era jovem e o Instituto Baleia Jubarte de Caravelas ainda não divulgou a causa suas mortes.



ELAS JÁ ESTÃO CHEGANDO

As primeiras baleias-jubarte de 2017 já estão sendo avistadas ao longo das costas Sudeste e Nordeste do Brasil, para deleite dos pesquisadores e de todos aqueles que aproveitam a oportunidade para apreciar estes belos animais em seu ambiente natural.

Imagem da Web
De hábitos altamente migratórios, as jubartes do Atlântico Sul passam o verão alimentando-se de organismos do plâncton marinho na região antártica, e retornam à costa brasileira no inverno e primavera para parir e amamentar suas crias, e também para os seus rituais de acasalamento, dos quais o famoso canto prolongado e melancólico dos machos é a parte mais conhecida.
Devido ao já grande número de avistagens da espécie em águas capixabas, este ano o Projeto Baleia Jubarte fará seus primeiros cruzeiros de pesquisa partindo de Vitória com o Instituto O Canal no final de junho. Nas bases de Caravelas e Praia do Forte, na Bahia, a capacitação de estagiários e operadores do turismo de observação de baleias terá início respectivamente na primeira e segunda semana de julho.
A presença das baleias tem uma grande importância porque movimenta a economia de diversas localidades costeiras da Bahia, como Caravelas, Porto Seguro, Itacaré, Morro de São Paulo e Praia do Forte, onde diversas operadoras turísticas levam os visitantes para bem perto das baleias em embarcações as mais diversas. 

Antes dizimadas pela caça em escala industrial, as baleias jubarte vêm se recuperando lentamente, e se estima que a população “brasileira” da espécie (ou seja, que se reproduz em nossas águas) esteja em torno de 17.000 animais.

Fonte: IBJ